terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

O fardo da história (e outros pesos da academia)

Não queremos servir à história senão
 na medida em que ela sirva à vida.
Nietzsche
 
Publicado em 1966 pela revista History and Theory, o ensaio “O fardo da história” pode ser considerado um dos melhores textos escritos por Hayden White. O leitor acostumado com seu clássico Meta-História com certeza estranhará em alguma medida este texto. Talvez porque nele White fuja do esquematismo ou do formalismo característico pelo qual ele é conhecido dentro da comunidade de historiadores. Mas creio que este ensaio não possa ser dissociado da proposta historiográfica que Meta-História coloca em prática. Pelo contrário, através de sua leitura compreendemos as razões do livro mais conhecido de White. O escrito a seguir pretende ser uma resenha do ensaio e um breve comentário sobre peculiaridades da produção de história na atualidade.

A questão central do ensaio retoma um lugar comum entre os historiadores. De Humboldt a Bloch a história é composta por duas partes, uma de arte e outra de ciência, que não se opõem, mas se complementam. White adverte que esta concepção (virada crença) tem sido usada para afastar as críticas de uma maneira circular. Isto é, quando os artistas criticam a história pela sua má-qualidade artística, então os historiadores lhes respondem que a história tem que preocupar-se com seu lado científico que seria mais importante do que o artístico. Famosa defesa da busca da verdade contra as fantasias da ficção! Ao passo que quando os cientistas acusam a história de possuir fragilidade epistemológica ou baixo nível de certeza, os historiadores replicam dizendo que sua disciplina não é uma ciência como as demais, pois se direciona as possibilidades do que pode ter acontecido, sendo, portanto, próxima da arte de representação. Esse mecanismo de resposta parece ter sido criado para atender a uma causa nobre: afastar a militância do positivismo e do idealismo do século 19. Mas passado esse período a história continua usando-o; especialmente para justificar seu comodismo e não atualizar a disciplina conforme a ciência e a arte contemporâneas.

A recusa pela atualização tem a ver com o fato dos historiadores preocuparem-se pouco em fazer uma autocrítica de seus trabalhos, uma vez que a saga atrás do documento “x” é muito mais importante. Ao fechar os olhos para o quintal alheio, o historiador perde de vista que a arte e a ciência já não são mais como eram no século 19. Sobretudo que a noção que dispunha estes dois campos como modos opostos de compreender a realidade está hoje desfeita. Portanto não há mais necessidade de um mediador entre arte e ciência. Lugar que o historiador do séc. 19 construiu para si. A história não pode mais ser assinada pela arte, tampouco pela ciência. Problemática apresentada, Hayden White parte para a descrição pormenorizada das críticas.

Em geral a filosofia coloca a história numa baixa posição dentro da hierarquia das ciências. Já a recusa da história pela literatura (arte) é ainda mais incisiva. E para ilustrar este fato, White cita inúmeros autores. Um dos personagens de James Joyce diz que “a história é o pesadelo do qual o homem ocidental precisa despertar se quiser servir e salvar a humanidade” (p. 43). Enquanto o cientista critica-a por suas falhas metodológicas, os literatos acusam-na sensível e moralmente. O tom destas críticas pouco parece ter mudado em relação ao que Nietzsche escreveu em O nascimento da tragédia e na Segunda consideração intempestiva, ambas produzidas na segunda metade do século 19: o exagero da história erradica o futuro, mata a sensibilidade artística e o senso apolíneo. Acreditava-se, na época destes trabalhos, que a sede por história (ou a chamada febre histórica, segundo Nietzsche) tinha mais a ver com o medo do futuro do que com o clamor por conhecimento do passado. Num momento em que reinava o cientificismo (fim do séc. 19 e início do 20), Burkhardt previu a decadência da cultura europeia utilizando de uma maneira diferente de se escrever a história (digamos, mais artística). Por sua vez, Bergson e Klages apontaram que a causa de tal decadência era o tempo histórico. O acontecimento da 1ª Guerra Mundial radicalizou as críticas à história. Afinal a disciplina não serviu para apontar suas causas e conseqüências, tampouco para preparar os viventes para tal evento. Com o pós 2ª Guerra houve algo parecido. Há uma longa lista de autores com críticas contundentes à disciplina histórica na primeira metade do século 20. Pode-se incluir Albert Camus em O estrangeiro: Mersault, o protagonista da narrativa, após envolver-se em um assassinato sem motivo aparente, vê a história de sua vida sendo usada para justificar sua culpa. Como se ele, por não ter chorado durante o velório de sua mãe, fosse um assassino em potencial, esperando somente que o destino o levasse ao crime e descortinasse sua verdadeira identidade – meticulosamente construída pela “história” através de uma reunião de fatos que eram do interesse da acusação.

Para White, a ficção moderna vive em busca de libertar o homem da consciência histórica para que eles possam enfrentar o presente. Resta ao historiador saber se ele pode participar desta libertação e se sua participação acarretará a destruição da história. Para poder libertar o presente do chamado “fardo da história”, é necessário em primeiro lugar que o historiador leve a sério os artistas e os cientistas. Depois desfaça a noção de que a história tem um fim em si mesmo. White, aqui, retoma Nietzsche profundamente. A história deve servir à vida e à ação! “No mundo em que vivemos diariamente, quem quer que estude o passado como um fim em si deve parecer ou um antiquário, que foge dos problemas do presente para consagrar-se a um passado puramente pessoal, ou uma espécie de necrófilo cultural, isto é, alguém que encontra nos mortos e moribundos um valor que jamais pode encontrar nos vivos. O historiador contemporâneo precisa estabelecer o valor do estudo do passado, não como um fim em si, mas como um meio de fornecer perspectivas sobre o presente que contribuam para a solução dos problemas peculiares ao nosso tempo”, escreve Hayden White (p. 53). Este ponto do texto pode, inclusive, surpreender muitos que acreditavam que White defendia em Meta-História uma relativização da escrita histórica, tendo ela compromisso apenas com os tropos lingüísticos e com as estruturas de enredo disponíveis ao bel prazer dos historiadores. Na verdade não é bem isso. Estudiosos, como Herman Paul, afirmam que Meta-História faz parte de uma proposta ética de escrita histórica que teria relação com o existencialismo. Se a máxima do existencialismo (de Sartre) é aquela segundo a qual a existência precede a essência, isto é, depois de existir é que você poderá dar sentido a sua vida e suas ações, destacando aí a inevitável liberdade que cada um possui, então a escrita da história seria uma maneira de atribuição de sentido ao caos dos acontecimentos. Na organização e explicação dos acontecimentos deve-se levar em conta a utilidade e vantagem que tal operação assiste à vida atual. Não se trata de um “vale tudo pós-moderno” como a caricatura de White, fabricada por Ginzburg, nos faz compreendê-lo.  

Por fim, Hayden White reivindica um diálogo cultural contemporâneo considerando-se a arte e a ciência de sua época, ambas atualizadas. E cita como exemplos trabalhos da primeira metade do século 19 (Michelet, Tocqueville, Ranke, Niebuhr, Stendhal, Balzac, Hegel, Marx, Heine e Lamartine). Isto porque ele os considera como produtos de pensadores que se preocupavam menos com a questão do método e com as fronteiras entre as disciplinas (que não eram tão claramente delimitadas na época) do que com o objetivo principal do pensar: a compreensão da realidade. Além disso, suas obras buscavam organizar o caos do passado por uma imagem que pudesse servir de transição para o futuro, que parecia a todos, amedrontador; e assim firmavam a responsabilidade dos homens. No avançar do século isso se perdeu na medida em que os historiadores preferiram se preocupar em definir o que era arte e ciência. Hoje se o historiador quer de alguma maneira dialogar com a arte e a ciência precisa ele aprender que a ciência não é mais aquela forma “objetivista” do sujeito observador universal. E nem a arte (literatura) se resume ao romance inglês do séc. 19, como na maioria das obras de história. Ou seja, se hoje a história é uma ponte ou união entre arte e ciência, ela o é com uma ciência e uma arte de má-qualidade.   

Em defesa da história e de uma atualização desta, White encerra seu manifesto: “A história é capaz de prover uma base em que possamos buscar aquela ‘transparência impossível’ que Camus exige para a humanidade ensandecida da nossa época. [...]. Mas a história só pode servir para humanizar a experiência se permanecer sensível ao mundo mais geral do pensamento e da ação do qual procede e ao qual retorna. E, enquanto se recusar a usar os olhos que tanto a arte moderna quanto a ciência moderna podem dar, ela haverá de permanecer cega – cidadã de um mundo em que as ‘pálidas sombras da memória em vão se debatem com a vida e com a liberdade do tempo presente’” (p. 63).

Pitacos intempestivos:

A proposta de White é audaciosa e esbarra em alguns outros pesos do lugar social onde a escrita da história é produzida. O “não-dito” do qual fala Certeau (1988) infere os mecanismos de poder que atuam nos bastidores para fazer com que a academia funcione às vezes como uma linha de produção. Mudar a maneira de pesquisar e escrever a história depende em alguma medida das engrenagens do sistema que envolve instituições, grupos de pessoas e tradições filosóficas. Na área de História, por exemplo, por mais que existam algumas linhas-de-fuga para inovações e criatividades, é a corporação com suas regras próprias e implícitas que dita o aceito, o não-aceito e o marginal. Não se trata somente de conhecimento por conhecimento. Mas de política do saber. Não parece por acaso que historiadores brasileiros excomunguem Hayden White. Taxado de inimigo da história e de pós-moderno perigoso, por supostamente igualar história à ficção, prevalecem as leituras de Ginzburg e de Ciro Cardoso sobre sua obra. Pouco importa que a história passe por um momento de descrédito na sociedade e que haja uma ascensão de trabalhos panfletários como os de Narloch, Villa e Ustra. Importa mais defender que ela seja uma “ciência” como se isso fosse o suficiente para legitimar sua existência e seu financiamento pelo dinheiro público. A meu ver, White e outros apenas colocam o dedo em uma ferida que sangra e não vai sarar sozinha. No exterior alguns pesquisadores tentam utilizar os curativos sugeridos por White e improvisar outros (cf. MUNSLOW & ROSENSTONE, 2004). Mas aqui a coisa anda em outro pé.

No Brasil, exceto os focos do historicismo alemão, imperam o marxismo ou materialismo histórico-dialético (sobretudo em suas variantes não-revolucionárias que condizem com a natureza da academia) e os Annales. Ainda que o pensamento contemporâneo, reunido sob o nome de Michel Foucault, tenha sido abduzido e, contra o que o próprio filósofo pensou, governamentalizado por determinadas disciplinas de humanas, ele e seus colegas mais próximos ainda são marginais na História. Já o marxismo é muito presente não só na História, mas na maioria das Ciências Humanas. Não foi hipérbole o uso do verbo “imperar” numa frase anterior. Na academia os saberes ou as tradições filosóficas vivem de colonizar os demais, de territorializar e de guerrear. Há grupos de pesquisa aglutinados em torno de um pesquisador reconhecido na comunidade (cumprindo papel de líder) para formar batalhões de soldados. O que se ganha nessa guerra? Principalmente, dinheiro. Financiamento de viagens, eventos e bolsas de pesquisa e etc. Conquista-se também reconhecimento acadêmico, às vezes usado como moeda de troca no tráfico de influências: por exemplo, troca-se publicações em revistas acadêmicas dirigidas por membros dos grupos de pesquisa. E estes lugares hoje já estão tomados pelas tradições citadas. O que há são brechas. E corajosos.  

Apesar (ou por causa) de a universidade ser uma instituição conservadora que sobrevive desde a Idade Média, assim como a Igreja Católica, ela possui uma lógica de funcionamento intimamente relacionada com a organização econômica e social de agora. A despeito das acentuadas diferenças entre o conhecimento das ciências matemáticas e biológicas e das áreas de humanidades, o mecanismo que rege suas produções é o mesmo: a quantidade. O Currículo Lattes é controlador central desta produção. Não a toa ele é um contador. Conta quantos artigos publicados, eventos participados, livros escritos, orientações realizadas, etc. Mas ele não pode contar a relevância da pesquisa e nem os meios despendidos para fazê-la. É simples! Quem produz mais tem mais pontos! Quem publica nas revistas mais qualificadas idem. Pouco importa se você passou realmente por uma avaliação como os outros que enviaram trabalho para a mesma revista. Tanto pior se você adotar uma abordagem ou um método de pesquisa que não agrada ao avaliador ou aos diretores da revista. Aqui o “não-dito” impera. Dificilmente alguém ensaiando história com a proposta de Hayden White seria considerado numa revista coordenada por herdeiros de Fernand Braudel (Annales) ou de Antônio Gramsci (marxismo). Poderia ele escrever um livro. Mas talvez não encontrasse uma editora disposta a publicá-lo. E, caso encontrasse, ninguém garante que seria lido, tampouco levado a sério pela comunidade de historiadores. A coisa complica-se mais se tal trabalho levasse a pensar de outra maneira a pesquisa/escrita da história. Pois o que reina é o comodismo e a reprodução do que já é feito. O mesmo mal parece haver na filosofia. Colegas, estudantes da graduação, relatam algo parecido. A verdade é que o diálogo com o diferente não tem passado de retórica vazia. O capitalismo tem feito com que os pesquisadores se preocupem mais com seus egos e com seus bolsos do que com a compreensão da realidade e, retomando Nietzsche e White, com a intervenção na vida e na sociedade. O “feudalismo acadêmico” tornou-se um peso sem o qual parece não sabermos viver e pensar, como os escravos que não saberiam o que fazer com a liberdade. Até que isso mude, os conservadores não precisam lamentar a ausência de representantes do seu pensamento na academia. No conteúdo, o conservadorismo pode ter fraca representação. Já na forma, ele é uma das principais estrelas fixadas na “farda” da história. E como é desconfortável e pesado esse uniforme!

Referências:

CERTEAU, Michel de. A operação histórica. In: LE GOFF, Jacques (comp.). História: novos problemas. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora, 1988, p. 17-48.
MUNSLOW, Alun; ROSENSTONE, Robert (orgs.). Experiments in rethinking history. New York: Taylor & Francis e-Library, 2004.
NIETZSCHE, Friedrich. Segunda Consideração Intempestiva sobre a utilidade e os inconvenientes da História para a vida. In:______. Escritos sobre história. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; São Paulo: Loyola, 2005.
WHITE, Hayden. O fardo da história. In:_____. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: Edusp, 1994, p. 39-64.

5 comentários:

  1. Parabéns por mais um belíssimo texto! Me identifiquei bastante com a parte final, pois pretendo fazer uma monografia mostrando os impactos da filosofia de Jacques Derrida na escrita da história, e já sinto uma certa pressão ligada a professores que corroboram firmemente com a imagem de ''neosofistas'' e ''pós-modernos'' cunhadas por outros historiadores (em especial Carlo Ginzburg) aos pensadores ''nietzschianos''.

    E como vc bem colocou: ''A verdade é que o diálogo com o diferente não tem passado de retórica vazia.''

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só! Curti sua proposta ousada, Júlio. Gostaria de ler seu trabalho quando estiver pronto. Mande para meu email se for possível. E obrigado pelas visitas e comentários no blog. Abraços!

      Excluir
  2. Olá, Munhoz! Te recomendo fortemente esta tese que considero o melhor trabalho sobre Derrida em língua portuguesa: http://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/5663

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Júlio, por me indicar o Moyses Pinto Neto. Na verdade já o conhecia de outros carnavais. Abraços

      Excluir
  3. Excelente artigo, parabéns. Muito bem escrito.

    ResponderExcluir

Real Time Analytics